<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d12697588\x26blogName\x3dPalavrArdente\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://palavrardente.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://palavrardente.blogspot.com/\x26vt\x3d9091287933922860388', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
PalavrArdente

SILVES, outrora capital do Algarve, hoje, capital da Palavra Ardente 

sábado, maio 07, 2005

2:56 da tarde -



"... Depois disto, uma discussão que procurarei resumir, parecia inevitável. Se Campos a iniciou deve ter sido porque Reis se tinha mostrado em desacordo com a sua crítica. Iniciou-a, pois, afirmando que a poesia é aquela forma da prosa em que o ritmo é artificial e que, mediante as pausas entre verso e verso e outros recursos que lhe pareciam absurdos e antinaturais, cria uma sugestão rítmica e uma sugestão acentual, mas porque há-de haver um ritmo artificial? Reis responde que isso se deve a que a emoção intensa não cabe na palavra, pelo que tem de descer ao grito - e gritos lhe deviam parecer os poemas de Álvaro - ou subir ao canto, e como dizer é falar, e se não pode gritar falando, tem de se cantar falando, e cantar falando, e cantar falando é meter a música na fala; e, como a música é estranha à fala, mete-se a música na fala dispondo as palavras de modo que contenham uma música que não esteja nelas, que seja, pois, artificial em relação a elas. Campos apanha luva de Reis mas não chega , pelo menos por escrito e nestes momentos, a uma conclusão clara. E Reis insiste em que Campos considera a poesia como uma prosa que contém música, daí o seu artifício. Mas ele, Reis, antes diria que a poesia é uma música que se faz com ideias, e por isso com palavras. Com emoções, responde-lhe o emotivo Campos, fareis só música. Com emoções que caminham para as ideias, que se agregam ideias para se definir, fareis o canto. Com ideias só, contendo tão somente o que de emoção há necessariamente em todas as ideias, fareis poesia. Por isso, quanto mais fria a poesia, mais verdadeira, pois a ideia perfeitamente concebida é rítmica em si própria. "
...

Fernando Pessoa

excerto de " A VIDA PLURAL DE FERNANDO PESSOA," de Ángel Crespo,
trad. de José Viale Moutinho, Bertrand Editora, Julho de 1990.


Enviar um comentário

© PalavrArdente 2005 - Powered for Blogger by Blogger Templates



Free Hit Counter