<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d12697588\x26blogName\x3dPalavrArdente\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://palavrardente.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://palavrardente.blogspot.com/\x26vt\x3d9091287933922860388', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
PalavrArdente

SILVES, outrora capital do Algarve, hoje, capital da Palavra Ardente 

quarta-feira, junho 08, 2005

5:41 da tarde - Romance XXXV ou do Suspiroso Alferes


Minas Posted by Hello
Terra de tantas lagoas!
Terra de tantas colinas
No fundo das águas podres,
o turvo reino das febres...
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
No palácio vãos fidalgos.
Santos vãos, pelas esquinas.
Pelas portas e janelas,
as bocas murmurandoras...
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
Rios inchados de chuva,
serra fusca de neblinas...
Quem tivera uma canoa,
quem correra, quem remara...
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
( Que vens tu fazer, Alferes,
com tuas loucas doutrinas?
Todos querem liberdade,
mas quem por ela trabalha? )
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
( O humano resgaste custa
pesadas carnificinas!
Quem morre, para dar vida?
Quem quer arriscar seu sangue? )
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
Minas das altas montanhas,
das infinitas campinas...
Quem galopara essa léguas!
Quem batera àquelas portas!
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
Mas os traidores labutam
nas funestas oficinas:
vão e vêm as sentinelas,
passam cartas de denúncia...
"Ah! se eu me apanhasse em Minas..."
( E tudo é tão diferente
do que em saudade imaginas!
Onde estão os teus amigos?
Quem te ampara? Quem te salva,
mesmo em Minas? Mesmo em Minas? )
Cecília Meireles, "Romanceiro da Inconfidência"


Enviar um comentário

© PalavrArdente 2005 - Powered for Blogger by Blogger Templates



Free Hit Counter