<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d12697588\x26blogName\x3dPalavrArdente\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://palavrardente.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://palavrardente.blogspot.com/\x26vt\x3d9091287933922860388', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
PalavrArdente

SILVES, outrora capital do Algarve, hoje, capital da Palavra Ardente 

terça-feira, julho 12, 2005

5:56 da tarde -


(by Lionel Lofton)

...

O cachimbo apagado, presente, sem vida. Chivela sonhava. A litaba distante. As anharas ainda não tinham sido feridas senão pela correria livre e descuidada das palancas. Negros os donos da terra. Força igual de todos os seres. A voz do tempo e da terra, estórias vindas da noite, repetidas nos jangos quando se revelam os pensamentos dos homens. Negros, os homens ocultos desviados do caminho. Os costumes, a vida, e o mundo uma força única. A mãe, a família, a tribu, as outras tribus, a gente toda. Sentiu-se pequeno, da pequenez das coisas intangíveis pela liberdade de que se cercam. Entrou-lhe no corpo um cheiro desconhecido; talvez fosse o cheiro que diziam do mar. Teve medo. O mar trouxera mundos estranhos. Línguas estranhas. A força diferente que o arrancou, sem que as raízes tivessem sido esventradas primeiro.
Ali estava afinal. Esta a vida que o feiticeiro nunca previra. Prolongamento vivo da terra sacudida. Caiu mais uma folha.
...

Costa Andrade*
in " Estórias de Contratados"
edições 70 para a união dos escritores angolanos


*Francisco Fernando da Costa Andrade, também conhecido pelos pseudonimos de Angolano de Andrade, Nando Angola, Africano Paiva, Flávio Silvestre, Fernando Emilio, Ndunduma e Ndunduma wé Lépi, este último, nome de guerra adotado nos tempos da guerrilha no Leste de Angola, durante os idos anos 60 e 70, é natural do Lépi, localidade situada na atual província Huambo, onde nasceu em 1936. Fez os estudos primários e liceais na cidade do Huambo e Lubango. Por razões que se prendiam com a falta de universidades ou outras escolas superiores na Angola colonial, como acontecia na generalidade com os jovens da sua geração, Nas décadas de 40 e 50, esteve em Portugal com o objetivo de, em Lisboa, realizar estudos de Arquitetura. Com Carlos Ervedosa, foi editor da Coleção Autores Ultramarinos da Casa dos Estudantes do Império, que desempenhou um papel decisivo na divulgação das literaturas africanas de língua portuguesa, especialmente da literatura angolana.



Enviar um comentário

© PalavrArdente 2005 - Powered for Blogger by Blogger Templates



Free Hit Counter